Coveiro matou a esposa e secretamente a enterrou quando estava sepultando outro corpo

Em agosto de 1999, o coveiro Mark Villella e sua esposa tiveram uma enorme briga, o que levou ela a sair de casa – de acordo com seu marido. A verdade era muito mais sinistra. Villella esfaqueou sua esposa enquanto ela dormia, e inventou o que ele achava que seria uma maneira de se livrar do corpo. Sabendo que iria enterrar uma mulher de 89 anos na manhã seguinte, ele decidiu duplicar os corpos no caixão, enterrando sua esposa junto a sua cliente. A polícia suspeitou de algo e Villella finalmente confessou quando as autoridades ameaçaram exumar o túmulo.

Cadáver estava ficando careca

Existe uma lenda urbana de que nossas unhas e cabelos continuam a crescer após a morte – embora uma pesquisa tenha mostrado que isso não passa de um conto antigo. No entanto, um coveiro teve o problema oposto com uma senhora idosa em sua funerária. Seus cabelos e unhas continuavam caindo enquanto tentavam prepará-la para um funeral de caixão aberto. Embora as unhas não fossem um problema tão grande, a última coisa que eles queriam era que a família aparecesse e achasse ela calva, então a equipe passou horas substituindo fios de cabelo até uma cobertura completa.

Corpos despertando

Casos de pessoas “acordando” em hospitais e funerárias são mais comuns do que você pensa. Em novembro de 2014, uma mulher polonesa de 91 anos despertou depois de passar 11 horas no frio do necrotério local, enquanto no mesmo ano, um jovem queniano voltou a vida milagrosamente após 15 horas no necrotério. Isso geralmente acontece quando os indivíduos foram declarados erroneamente mortos, em vez de qualquer milagre moderno, mas isso ainda pode ser bem alarmante para quem trabalha com isso e que têm que investigar os barulhos vindo de seus freezers.

Um cadáver levou um soco

Não é apenas o cadáver que surpreende os trabalhadores de necrotério e coveiros. Às vezes, familiares e amigos que participam de funerais podem se comportar um pouco erraticamente. Em 2009, Timothy Cleary, de Orlando, Flórida, foi preso depois de entrar numa igreja local durante um serviço funeral e socar o cadáver. Em 2017, os membros das gangues conseguiram entrar na funerária, onde um rival estava preparado para o enterro e filmaram batendo no falecido – fazendo uma transmissão ao vivo do ataque no Facebook! Parece que até a morte não é suficiente para algumas pessoas esquecerem os rancores que eles têm contra seus inimigos.

Um cadáver foi decapitado

Em 1986, um homem de 83 anos de Mount Vernon, em Nova York, morreu por causas naturais e estava esperando na funerária local o enterro que seria alguns dias depois. Anthony Parisi, que teve uma mercearia na área e era um homem de família tranquilo, se tornou vítima de um tipo de crime terrível que você geralmente só vê nos filmes da máfia. Alguém entrou na funerária, decapitou o falecido Sr. Parisi e levou a cabeça. A polícia ainda não sabe quem foi responsável pela profanação, e a família teve que enterrar seu amado avô incompleto, já que sua cabeça nunca foi recuperada.

Olhos e bocas não fecham

Depois de morrermos, a posição de descanso natural dos nossos olhos e da boca é aberto, o que é um pouco desconcertante para todos se você estiver planejando deixar um caixão aberto para o velório. Usamos uma variedade de ferramentas e técnicas para manter os olhos e as bocas fechados para o funeral, incluindo cola e agulhas. A maneira mais eficaz de manter os olhos fechados, no entanto, é uma invenção relativamente recente – lentes de contato com ponta, que repousam na superfície do globo ocular e mantêm a pálpebra no lugar. Existem até lentes de contato em forma de bola, como se fossem uma metade de uma bola de ping pong, para aqueles que doaram seus olhos.

O cadáver visivelmente se mexeu

Como você esperaria das pessoas que trabalham ao lado dos mortos, muitas vezes em porões e locais sombrios, estas pessoas têm muitas histórias assustadoras para contar. Um examinador médico – um homem cujo cérebro científico era menos provável do que a maioria de acreditar em acontecimentos sobrenaturais, estava trabalhando uma noite em autópsias, quando um dos cadáveres deu um mexida muito visível enquanto ele estava sentado fazendo a papelada na mesa. Provavelmente, apenas um pouco de excesso de gás escapava do corpo, mas deve ter dado ao pobre membro da equipe um choque e tanto.

Crematório mentia e entregava urnas com pó às famílias

Tommy Marsh era o dono do Crematório Tri-State no noroeste da Geórgia, quando em 2002, um homem de fazia manutenção na propriedade informou à polícia que ele havia visto evidências de corpos espalhados pela propriedade. Enquanto a maioria dos crematórios tem alguns corpos no local, à espera de sua vez de ir ao forno, descobriu-se que Marsh havia recebido pagamento por mais de 300 corpos e nenhum dos quais ele realmente queimou conforme deveria ter feito. Ele, em vez disso, enterrou-os em torno da propriedade, e deu às famílias urnas cheias de poeira, em vez das cinzas de seus entes queridos.

Cadáveres se sentando

Vários trabalhadores de necrotério ficaram aterrorizados ao ver um de seus cadáveres, sentando-se , como se eles voltassem à vida. Às vezes, eles permanecem naquela posição sentada, às vezes até mais estranhamente, eles retornam à sua posição original. Tal como acontece com os espasmos, isto é causado por conta de gases acumulados no corpo, onde, grandes bolsas de gás podem fazer com que os cadáveres façam movimentos bastante significativos quando tudo isso é expulso – embora saber que há uma explicação da ciência, ver de um cadáver sentado na parte de dentro do túmulo não é menos assustador.

Gêmeas, uma morta, uma viva e com a mesma roupa

Houve alguns incidentes incomuns envolvendo funerais e gêmeos idênticos, incluindo o caso de um menino que morreu e cujos pais decidiram que seria perfeitamente normal vestir o gêmeo vivo e o gêmeo morto com a mesma roupa no dia do funeral. Em outro caso, não envolvendo gêmeos, mas pessoas muitos parecidas e não relacionados, um homem brasileiro surpreendeu sua família, aparecendo em seu próprio funeral, depois que um homem que parecia exatamente com ele foi vítima de um assassinato. Ele só descobriu a o problema quando um amigo lhe disse que sua família acreditava estar morto.

 

 

Fonte: Mistérios do Mundo