Sabe aquele caso raro onde a sequência consegue ser melhor que o original? Mesmo sabendo que nesse caso não seria tão difícil assim, conseguimos ficar surpresos com quão superior “Annabelle: A Criação do Mal” consegue ser.

Quando lembramos de Annabelle, lembramos do seu primeiro (e desnecessário) filme solo, em 2014.
O filme foi desastroso, chato, com sustos forçados, sem criatividade, com pouquíssimas cenas que salvam, e você fica pensando: “Era melhor ter deixado a boneca apenas no Invocação do Mal.

Mas eis que insistiram e quiseram fazer um segundo filme, e desde então choveram de imagens, teasers, trailers, cenas, deixando a galera bem animada.
E devo dizer, ainda bem que insistiram!
O filme conta a história de um senhor que faz bonecas de madeira, casado e possuem uma linda menina de uns 8 anos de idade talvez…
Logo no início eles perdem essa filha atropelada na estrada, 12 anos se passam e resolvem fazer dessa casa, um abrigo para uma freira e 6 garotas órfãs.


Sua mulher passou por algum transtorno que não consegue mais andar, então passa seus dias dentro de seu quarto deitada, e mantendo a porta sempre fechada.
O filme se centraliza mais em duas garotas em questão: A pequena Linda (Lulu Wilson) e Janice (Talitha Bateman), que foi vítima de poliomielite e tem problemas de se locomover.
Elas que têm o primeiro contato com a boneca.


Daí pra frente, nada posso falar que estragaria toda a experiência do filme, seriam tiros de SPOILERS pra todo lado.
Mas tenho considerações a falar sobre o filme:

  • O filme foi dirigido pelo mesmo diretor do filme “Quando as luzes se apagam”, o que deixa bem claro em várias cenas onde o escuro é onde dita as regras.
  • Assim como o filme “Ouija”, o segundo filme salva a franquia, e o curioso é que a Lulu Wilson faz ambos os filmes, aliás, dá impressão que é a mesma personagem, pois além de ser ambientada na mesma faixa de época, ela está com o mesmo corte de cabelo, age da mesma forma, ou seja, parece que temos uma continuação com a mesma personagem,rsrsrs ( Quando quiserem salvar uma franquia, é só chamar ela…

 

  • Ok, sabemos que Annabelle NÃO é um Chucky da vida, não vai sair andando com uma faca na mão e matando geral. Desde a primeira vez em que a boneca nos é apresentada, sabemos que ela é apenas um hospedeiro para o capiroto se instalar, mas ao contrário do primeiro, esse foca muito mais no tal Dêmo.
  • O menos é sempre mais: Sim, o capiroto aparece bem mais que no primeiro, mas sempre de forma sutil, aparecendo nas sombras, no cantos. O que é ótimo, tudo que é explicito demais acaba desgastando, o fato de você ficar caçando na escuridão lago se movendo, ou olhos brilhantes no breu, é algo magnífico.
  • O famoso “Jump Scare”: claro, o que seria dessa franquia sem os famosos sustos ?? Temos aqui sim, mas não são tão gratuitos assim, por vezes te pegam de surpresa sem aquele som alto, então se prepare, vá com alguém para ficar segurando na mão…rsrs
  • Gore: o fico do filme é na aparição da entidade, mas sim, temos o gore aqui! Não é um Jogos Mortais da vida, mas tem uma cena em específico que dá calafrios…
  • Se você é fã da franquia “Invocação do Mal”, fique ligado durante o filme, que ele solta umas referências cabulosas sobre um tal personagem aí … E a atmosfera lembra bastante os dois filmes da franquia, seja no jeito em que a câmera se move nos aposentos da casa, ou na trilha sonora que sempre tem algum clássico rolando pra te deixa r com um puta medo de ouvir sozinho em casa,
  • Aproveitando o gancho: A cena pós créditos ( pós mesmo, fique até desaparecer todas as letras da tela) revela um gancho pra próxima produção da franquia.
  • E o melhor de tudo: O final! Não vou falar aqui como ele é, mas VALE MUITO A PENA! Temos uma surpresa em forma de pano (???) e um link muito importante com o desastroso primeiro filme que dá todo sentido à trama.

Enfim, Annabelle já está em cartaz, e se você por algum momento ficar na dúvida se vale a pena assistir, por favor, não hesite, e acredite, o que você menos irá se importar no filme todo é com a boneca…
O filme está longe de se tornar um clássico, têm seus deslizes, e com certeza poderia ser melhor em alguns aspectos, por exemplo, deixando alguns personagens totalmente avulsos no filme, mas está muito acima do primeiro, e classifico ele na média do Invocação 1 e 2.

Nota: 8.0/ 10