Neste episódio, finalmente somos apresentados ao personagem que Pablo sempre fala, o seu tio. E quando o grupo de Ash está dirigindo para lá, são perseguidos por um demônio, mas quando eles passam pela entrada do local o demônio pára. Aparentemente, ele não consegue entrar. O que nos faz mais acreditar que o tio de Pablo, é um bruxo bastante poderoso.

Os poderes e os feitiços que o Brujo pode fazer não são muito bem explorados, o desenvolvimento do personagem dele não está presente. Não sabemos quase nada sobre ele. E ele chega até a ser genérico e clichê.

Os primeiros 10 minutos do episódio são arrastados, mostrando coisas que já vimos nos outros episódios, como perseguição com demônios, personagem fodão matando o demônio sem mais nem menos (já vimos bastante disso, mas dessa vez não foi tão legal quanto as outras).

É nos 15 minutos finais que o episódio começa a ficar bom. A viagem psicodélica do Ash tem um humor bem engraçado e interessante, algumas coisas dos filmes antigos, alguns flashbacks estão aqui, o que faz o telespectador ficar com um pouco de saudosismo. Enfim, o episódio demora para render, e quando rende é legal e engraçado, mas não muito.

Nota (1×04): 7.3