É muito difícil estudar e tentar compreender as sensações da morte, pois as pessoas que passam por esse processo não podem relatar a situação.

Mas alguns cientistas tentam extrapolar o que conhecemos sobre limitações do corpo humano, tolerância à dor e outros fatores que fazem parte do momento da morte, tentando definir os métodos mais sofridos e dolorosos de se morrer.

Conheça 8 torturas aterrorizantes da Idade Média

Confira algumas formas de morrer, que segundo a ciência são as formas mais dolorosas:

Desidratação

Quando você fica desidratado, as células começam a encolher enquanto o corpo retira água diretamente delas para lançar na corrente sanguínea. Infelizmente, isso também inclui células cerebrais, que não produzem um efeito agradável quando encolhem. Isso previne o corpo de funcionar normalmente, levando à confusão, delírio, dores de cabeça, coma e morte. Enquanto o cérebro encolhe no processo, vasos sanguíneos ligados ao crânio são esticados, causando dores extremas e sangramento.

Escafismo

Essa pode ser uma das formas mais estranhas e cruéis de se matar alguém. Geralmente sua prática era feita nos anos 500 a.C pelos antigos persas. Depois que era condenado a morte por escafismo a pessoa era amarrada a um barco ou uma árvore. Ela era alimentada por leite e mel, o que não a deixaria morrer de fome, e os mesmos seriam jogados sobre seus corpos. Com o tempo eles começavam a ter fortes diarreias e, juntamente com o alimento jogado sobre eles, isso atraia diversos insetos, vermes e parasitas. Eles se acoplavam em seus corpos criando buracos ou entrando pelos ouvidos e nariz. Eles morriam devido várias infecções.

Injeção letal

A injeção letal é um dos métodos de execução mais comuns hoje em dia, mas pode parecer muito mais cruel do que parece. Para que ela funcione, existem três elementos essenciais: tiopentato de sódio (que provoca inconsciência), brometo de pancurônio (que provoca paralisação) e cloreto de potássio (que para o coração e provoca a morte). Apesar disso, algumas doses possuem quantidades baixas de tiopentato de sódio, deixando os condenados paralisados, mas num estado de semi-consciência durante todos os estágios da execução. Testemunhas já chegaram a relatar vítimas agonizando, gemendo e até tentando se levantar durante o procedimento.

Cadeira elétrica

Enquanto as correntes elétricas passam pelo corpo, o sangue ferve, o sistema nervoso entra em colapso provocando asfixiamento e o coração para. O corpo começa a inchar e o efeito do sangue efervescente pode provocar sua expulsão por todos orifícios do corpo. Em alguns casos, os olhos podem saltar para fora do crânio e chamas podem surgir por baixo da pele. A temperatura do corpo fica tão alta que a pele é cozida e cai do corpo.

Queimado

Em algumas situações, a pessoa morre devido a intoxicação da fumaça. Em casos de incêndios em residências, até 75% das pessoas morrem por intoxicação por monóxido de carbono, antes das queimaduras. Quando o fogo realmente é responsável pela morte, uma dor aguda imediata é sentida assim que as chamas se aproximam da pele, estimulando nervos e cozinhando a carne, aumentando ainda mais a sensibilidade da pele.

Radiação

A variedade de sintomas resultantes da radiação depende da dose e do tipo dela. Pequenas doses vão provocar náusea, dores de cabeça, vômitos, febre e marcas na pele. Doses maiores podem romper células, causando a morte de várias delas. Em doses ainda mais extremas, a pele pode ficar vermelha e com bolhas, começando a desmoronar. Ainda existe uma alta taxa de dano neurológico, causando tremores e derrames, que eventualmente levam à morte.

Confira capinhas de celulares e canecas personalizadas com personagens de terror na nossa loja, CLIQUE AQUI!

Fonte: fatos desconhecidos