Na temporada ‘Coven’ da série ‘American Horror Story’, a atriz Kathy Bates interpreta a personagem Delphine LaLaurie.

A personagem é inspirada em uma história real, Delphine LaLaurie foi uma das mulheres mais demoníacas que já existiu.

História de Delphine LaLaurie

Ela nasceu em 1775, Nova Orleans (EUA). Em 1800, Delphine se casou com Don Ramon de Lopez y Angullo, um oficial de alta graduação na Corte espanhola. Em 1804, eles viajaram para a Espanha, quando eles estavam voltando da viagem, Don Ramon ficou doente e morreu.

Em 1808, Delphine casou com Jean Blanque, um banqueiro e legislador de descendência francesa. Jean morreu em 1816 em circunstâncias curiosas que alguns atribuem a envenenamento. Em 1825, Delphine casou com seu terceiro marido, o médico Leonard Louis Nicolas LaLaurie. Em 1831, a família adquiriu a famosa propriedade no número 1140 da Royal Street, que ela manteve em seu próprio nome com pouco envolvimento de seu esposo. Há rumores que o dono original da mansão, um médico chamado Nicholas Geny, não pretendia se desfazer da propriedade, mas Delphine estava irredutível. Ela negociou com credores e se tornou titular das dívidas que ele tinha. Ela acabou tomando a casa e várias posses de Nicholas que arruinado, se suicidou.

Delphine LaLaurie ficou conhecida como Madame LaLaurie pela sociedade de Nova Orleans, fazia várias festas que eram cheias de pessoas ricas e influentes.

Depois de um tempo, a mansão foi totalmente reformada e um terceiro andar foi colocado na mansão e um alojamento para escravos foi incluído no topo e os escravos que serviam a família sofriam várias atrocidades.

1140 da Royal Street

A historiadora Harriet Martineau, reuniu vários testemunhos de habitantes de Nova Orleans a respeito dos escravos que pertenciam a família.

Certa vez uma menina chamada Lia, de apenas 12 anos, tentou fugir para o telhado da casa apavorada dizendo que Delphine queria arrancar sua pele, pois ela tinha puxado o cabelo de Delphine enquanto penteava. Enquanto ela chorava desesperada, Delphine aguardava com um chicote prometendo que a punição seria muito pior se ela não descesse imediatamente. Quando ela se negou,  Delphine mandou que atirassem pedras para força-la a obedecer. A menina se desequilibrou e caiu quebrando o pescoço. Furiosa, Delphine teria mandado prender o cadáver da menina em um poste e ela própria a chicoteou várias vezes.

Em outra ocasião, Delphine teria ficado descontente com a refeição servida aos convidados que estavam na mansão. Para punir os escravos ela teria mandado que eles não recebessem comida por dias e que ficassem olhando ela e sua família enquanto faziam suas refeições. Quando um deles desmaiou, Delphine teria mandado que o escravo fosse levado para os fundos, colocado em um caixão e enterrado no jardim.

Ela também gostava de abrir suas escravas e “brincar” com seus intestinos os envolvendo em volta de sua cintura, enquanto deixava os corpos das vítimas pendurados e apodrecendo.

Em 10 de abril de 1834, um incêndio começou na cozinha da mansão na Royal Street. Os escravos teriam provocado o incêndio na tentativa de atrair as autoridades até o local e serem libertos.

Delphine e sua família não estavam no local no momento do incêndio, as autoridades foram chamadas para ajudar no combate ao fogo. Na cozinha encontraram a cozinheira da família, acorrentada ao forno pelos pulsos e tornozelos.

Tentaram entrar no alojamento dos escravos para evacuá-los. Uma vez que ninguém sabia onde estavam as chaves, quebraram o cadeado e encontraram “experimentos” humanos verdadeiramente perturbadores no local.

Uma das vítimas encontradas, foi um escravo que teve seus membros quebrados e costurados no corpo em ângulos estranhos que faziam ele parecer um caranguejo humano. Uma das escravas estava com a boca cheia de fezes de animais e os lábios costurados. Uma outra escrava teve seus ossos quebrados para caber dentro de uma pequena gaiola de metal destinada a cães. Muitos crânios foram encontrados com furos, um escravo ainda estava vivo com um buraco cheio de ganchos na cabeça dele. Haviam cadáveres pendurados pelo pescoço em cordas, escravos com braços e pernas cortados presos a correntes e vários itens de torturas espalhados pelo local.

Os escravos contaram que haviam sido levados para o local de horrores onde sofriam horrivelmente. Alguns estavam lá há meses.

Um dos homens que descobriu o local de torturas foi o Juiz Jean-Francois Canonge, que posteriormente prestou depoimento sobre o que foi encontrado na mansão:

“Havia uma mulher nua com um colar de ferro cheio de espinhos presa na parede por uma corrente. Os muitos ferimentos em suas costas evidenciavam o uso de chicote e ferros em brasa. A mulher contou que a Madame LaLaurie costumava cortá-la com uma navalha e beber seu sangue. Ela também mergulhava suas mãos e rosto em uma bacia cheia de sangue acreditando que assim poderia ficar “jovem pra sempre”. Um homem havia sido castrado e o ferimento tinha sido costurado com barbante, a língua dele também foi cortada para que ele não pudesse falar.”

Cena da temporada ‘Coven’ da série ‘American Horror Story’

Um dos homens de confiança de LaLaurie, quando interrogado, confessou que o local de torturas era usado há anos e que a patroa sentia prazer em atormentar diariamente os seus escravos.

O caso deixou a população furiosa, as roupas e jóias da família foram saqueadas, os salões com seus móveis luxuosos devastados e por pouco a casa não foi inteiramente queimada pela multidão.

Os escravos torturados foram levados para a prisão local, onde testemunharam sobre tudo o que haviam passado.

Semanas depois do ocorrido e da evacuação da mansão, vários cadáveres foram achadas no local onde os feitores da família colocavam os corpos. Vítimas cujos corpos foram atirados em um poço seco nos fundos da propriedade. Quando o poço foi aberto, as autoridades encontraram ossos de crianças que haviam sofrido torturas similares.

Alguns relatos dizem que após o incêndio e a descoberta das coisas terríveis que eram feitas na mansão, Delphine e suas filhas teriam fugido para o Alabama onde foram hospedados por parentes. Lá, seu marido Leonard a abandonou temendo sofrer represálias se continuasse com elas. Delphine ficou com os parentes por algumas semanas, depois temendo ser descoberta, Delphine mandou suas filhas para casa de uns amigos e viajou para Paris.

LaLaurie tinha muito dinheiro em bancos na França, tinha o suficiente para se estabelecer na França e manter o mesmo padrão de vida. Suas filhas jamais se juntaram a ela na Europa, alegando que não queriam mais ter qualquer contato com a mãe.

Existem várias teorias sobre a morte de Delphine LaLaurie, a mais conhecida e que se tornou popular é a contada pelo historiador George Cable, ele afirmou que ela teria morrido em um acidente de caçada, na França. Ela teria sido morta por um javali furioso que a derrubou do cavalo e a atropelou. A outra teoria seria que ela teria retornado para a América e morrido em São Francisco em decadência.

Delphine LaLaurie

Fonte: Mundo tentacular