No Rio Grande do Sul, na cidade de Caiçara, teve algo sobrenatural que ocorreu em 2014 na casa de uma família.

A família, começou a presenciar fenômenos sobrenaturais em sua casa, deixando todos assustados.

Pedras de todos os tamanhos caiam sobre o telhado e até dentro da casa, mesmo com as portas e janelas fechadas e não quebrava a telha bem fina que tinha na casa.
Enquanto a dona da casa fazia pão,  uma pedra caiu dentro da forma, mesmo com todas as portas e janelas fechadas, uma das pedras atingiu o forno elétrico, estourando a porta de vidro.
Socos nas paredes, objetos voando(facas decozinhas, comida, etc).
Uma chaleira de água saltou do fogão,  água era jogada nos moradores enquanto eles dormiam, o roupeiro ficava revirado, uma das filhas teve comportamento estranho, mudando a voz .

“Um dia, o espírito levou ela para cima da casa, jogou ela para baixo e quebrou a telha”, relata a mãe. Em uma outra ocasião, a menina tentou matar o irmão mais novo.

A família não aguentava mais tudo que acontecia e pediu ajuda para os vizinhos.

Um morador da comunidade onde aconteceram as primeiras manifestações do fenômeno, em uma das noites em que as pedras caíram, relata que tentou ajudar acolhendo a família na sua casa, para que pudessem ter uma noite de sossego. “No que eu tirei o cadeado do portão, e eles foram entrando no pátio, as pedras começaram a cair no telhado lá de casa”. O vizinho então os levou à escola da comunidade, onde passaram a noite sem a ocorrência de nova manifestação.

Já uma cabeleireira e amiga da família, ia até a casa fazer orações, ela disse que uma vez caíram muitas pedras, que inclusive atingiram os membros da família.

Como os fenômenos não paravam, a família chamou a polícia, um sargento disse: “Nós estivemos lá procurando nos milharais, no meio do mato, subimos um cerro próximo a casa, em todos os locais onde alguém poderia estar escondido para atirar as pedras. Não encontramos ninguém, e as pedras não paravam de cair”. O sargento afirma que não era possível ver exatamente de onde as pedras vinham. “Só se ouvia o barulho do impacto e, em seguida, já víamos as pedras caídas no chão”, acrescenta.

Um soldado que também esteve na propriedade, por duas vezes, enquanto os fenômenos aconteciam. Na segunda vez, por volta de meia-noite, quando o policial presenciou a “chuva de pedras”, que se estendeu até as 3 horas da manhã do dia seguinte.
“Eu comecei a procurar ao redor para ver se encontrava algo, mas as pedras caíam de todos os lados. O mais incrível era que nenhuma caía fora da casa, todas no telhado, eram pedras de todos os tamanhos, grandes, pequenas. Quando eu estava num lado da casa, elas vinham do outro”, relata o soldado.

Depois da polícia presenciar tudo, o sargento falou para a família que eles não podiam fazer nada e aconselhou à família a buscar ajuda em meios religiosos.

“Jogavam pedras na casa, como uma chuva. A gente chamava a polícia. Ela vinha, olhava por tudo e não enxergava nada. A casa toda fechada e enchia de pedra dentro. Depois que acalmou um pouco as pedras, começou a virar os roupeiros”, relata a família.

Em virtude dos acontecimentos, diversas correntes religiosas entraram em contato com os moradores da casa, com o objetivo de auxiliá-los.

A família foi levada na casa de uma médium, a médium disse em entrevista na época que alguns membros dessa família tinha um dom paranormal, “Mas nem essa pessoa sabe que tem esse poder, porque é o inconsciente que faz isso, provavelmente, esse indivíduo que tem essa paranormalidade avançada, que até move pedras, é alguém que já sofreu muito” disse ela.

O prefeito ajudou a família, através do acompanhamento de uma assistente social e uma psicóloga.

Um médium exorcista se dirigiu até a casa para exorcizar a filha mais nova do casal, principal foco das manifestações, só que quem ficou possuída foi a filha mais velha, de 15 anos.

Durante 4 horas ele fez o exorcismo na menina, durante o exorcismo a menina diz que é o demônio quando questionada pelo médium. Depois, perguntado sobre o que queria, ele diz “a casa”. O médium então disse que o antigo dono da casa era o espírito que possuiu a garota.

Como os fenômenos não paravam, mesmo depois de todas as ajudas, a família já não conseguia mais dormir, a família decidiu demolir a casa e eles acreditavam que era a casa que causavam os fenômenos.

E quando eles estavam pronto para sairem da casa para a demolição, a filha mais velha ficou possuída novamente e subiu na porta da casa e no telhado dela, e ficava correndo pelo fino brasilit e jogando pedra no pais. Até que o telhado cedeu e ela caiu.

A prefeitura disponibilizou uma casa na zona urbana da cidade e pagou o aluguel do local.

Mesmo depois de terem mudado de casa, os fenômenos não pararam, cerca de um mês depois, a filha mais nova, voltou a apresentar um comportamento estranho durante a madrugada.
A mãe disse: “Faz três dias que aconteceu de novo. Foi de noite aqui em casa. Aí a gente rezou e foi passando. Depois não deu mais nada. Pelo menos lá na outra casa acontecia de tudo, era muito pior. Agora é só com ela mesmo. A gente quer resolver isso, tirar esse espírito dela de uma vez. Fomos a uma curandeira. Ela falou que a gente precisava procurar um centro espírita, mas aqui na região não tem nenhum. Ninguém dessa federação aí veio ajudar. Não sabemos mais o que fazer. Prometeram na TV e não vieram. E a prefeitura diz que não pode fazer mais nada porque já está pagando nosso aluguel na casa nova”, disse a mãe na época.

Depois de algumas semanas os fenômenos pararam.

“Está tudo bem agora. Não tem mais nada de estranho. Queremos esquecer. Muitas pessoas nos ajudaram” disse a mãe.

Uma nova casa foi construída ao lado da casa demolida e a família foi morar nela.

Assista uma matéria, feita na época onde mostra os relatos e o exorcismo da garota:

 

 

 

Fonte: G1/Youtube