Família Manson é o nome pelo qual ficou conhecido o grupo formado por Charles Manson que era um ex-presidiário que era visto como ‘hippie’ e que tentava começar sua carreira musical.

O grupo dedicava-se principalmente a pequenos golpes, consumo de drogas, sexo livre e à idolatria de seu líder, em agosto de 1969, integrantes do grupo, seguindo ordens de Manson, cometeram uma série de assassinatos em Los Angeles

Manson era fanático por Beatles, e costumava nomear suas teorias criminosas com canções da banda britânica. Uma delas era chamada Helter Skelter, baseada na canção de Lennon e McCartney presente no Álbum branco, lançado em 1968. Para Manson, Helter Skelter seria uma guerra racial aconteceria nos Estados Unidos causando uma situação de caos geral, onde ele seria consagrado líder e teria poder sobre a dinâmica do mundo a partir de então.

Veja alguns dos assassinatos mais conhecidos pela família Manson:

Manson convenceu alguns membros de seu grupo heremita de que era preciso um impulso para que o Helter Skelter começasse, e para isso eles precisariam assassinar brancos ricos. Na madrugada de 8 para 9 de agosto de 1969, Manson enviou quatro de seus pupilos para uma missão em Cielo Drive, na cidade de Los Angeles, ordenando que eles acabassem de forma brutal e violenta com todos que estivessem no local.

A casa foi escolhida em decorrência da antipatia que Manson sentia por um produtor musical que não demonstrou interesse por seu trabalho musical. Terry Melcher, o referido produtor, era morador daquela casa, mas havia se mudado. No momento em que o crime foi proposto por Manson, estava na casa a atriz Sharon Tate, grávida de oito meses do cineasta Roman Polsnski (que estava na Europa concluindo um filme), e seus hóspedes Abigail Folger, Wojciech Frykowski e Jay Sebring, além do jovem Steven Parent, de 18 anos, que era amigo do caseiro e chegou em Cielo Drive quando os assassinos estavam a espera.

Os indicados por Charles Manson para a missão foram Tex Watson, Linda Kasabian, Patricia Krenwinkel e Suzan Atkins. Os quatro invadiram a casa após matar Steven Parent e começaram a torturar as quatro pessoas presentes na casa. Todos eles foram severamente esfaqueados, inclusive Sharon Tate que estava grávida. A cena encontrada pela polícia no dia seguinte foi totalmente chocante. Atkins havia escrito com sangue da atriz a palavra ‘pig’ (porco, em inglês), na porta de entrada da casa.

No dia seguinte ao assassinato de Cielo Drive, outro crime foi elaborado por Charles Manson. Dessa vez ele esteve presente durante a ação de seus subordinados. As vítimas da vez foram Leno e Rosemery LaBianca, esfaqueados várias vezes antes e depois de morrer pelos assassinos. O caso ficou conhecido midiaticamente como Tate/LaBianca.

Os integrantes da família Manson não foram ligados ao crime, no início. Charles Manson e 25 de seus seguidores chegaram a ser presos no rancho onde viviam, suspeitos de participarem de furtos de carros, mas foram soltos sem que ninguém desconfiasse da participação deles nos casos Tate e LaBianca. A polícia já havia inclusive descartado uma possível ligação entre os dois casos.

Outro assassinato, o de Gary Hinman, cometido pelos Manson em 25 de julho de 1969, onde Gary Hinman foi brutalmente assassinado, foi faqueado e teve um lado do seu rosto cortado. O caso passou a ser relacionado ao caso Tate/LaBianca devido ao estado semelhante em que foram deixados os locais dos crimes.

Depois de presos, outros membros do grupo continuaram cometendo crimes, até o grupo ser completamente extinto em 1970.

A complexidade do crime, que envolvia motivações incomuns, além de pessoas famosas, acabou gerando inúmeras especulações que dificultaram as investigações.

Charles Manson, mentor da seita criminosa ‘Família Manson’. Cumpre prisão perpétua

Susan Atkins, condenada a prisão perpétua. Morreu em setembro de 2009.

Tex Watson, um dos principais membros da seita. Cumpre prisão perpétua desde 1969.

Patricia Krenwinkel, presa há mais de 40 anos. Cumpre prisão perpétua.

Linda Kasabian. Cumpre prisão perpétua. Ao lado de Patricia Krenwinkel é a presa mais antiga de Los Angeles.