Leonarda Cianciulli nasceu em 1893, na cidade de Montella, Itália. Em 1930, estava casada e possuía uma pequena loja na cidade de Correggio. Era popular no local e tinha muitos amigos. Vizinhos a descreviam como uma mulher amável e de um caráter incontestável. Era inclusive, uma mãe muito dedicada aos seus 4 filhos.

Por outro lado, também tinha suas manias estranhas. Era extremamente supersticiosa. Segundo o que a história conta, ela foi alertada por um cigano que seus filhos corriam sérios riscos de vida. Além de sua facilidade em acreditar em coisas do tipo, as experiências vividas por Leonarda a fizeram crer ainda mais nisso.

Robert Pickton | O serial killer que alimentava os porcos com carne humana

Relatos indicam que a mulher ficou grávida 17 vezes! Mas por alguma razão do destino ela acabou perdendo 13 de seus filhos, sendo que 3 foram abortos espontâneos. Depois de consultar o cigano ficou claramente apavorada. Temia o que poderia acontecer com seus filhos sobreviventes, em especial com Giuseppe, que era seu filho preferido e havia entrado recentemente no exército italiano.

Ninguém sabe ao certo os motivos, mas a supersticiosa passou a acreditar que sacrifícios humanos livrariam seus filhos da maldição. Sua personalidade amigável e supostamente honesta, foi tomada por um espírito diabólico. Tudo aconteceu entre os anos de 1930 e 1940. Em uma armadilha articulada por ela, conseguiu atrair 3 de suas clientes, que por sinal, também eram suas amigas.

Conheça a história do serial killer cuja cabeça está exposta em uma faculdade de medicina

Leonarda as drogou e deu o golpe final com um machado. Em seguida, resolveu ferver os corpos em soda cáustica. Por incrível que pareça, existem outros casos semelhantes que foram registrados ao longo da história, no entanto, o que torna a mulher 10 vezes mais abominável, é que ela decidiu transformar suas vítimas em sabão.

A supersticiosa ainda escreveu um livro intitulado de Confissões de uma Alma Amargurada, onde revela detalhes sobre como tratava suas vítimas. Em um dos trechos em que fala de sua última vítima, ela conta:

“Ela acabou no pote, como as outras duas […] sua carne era gorda e branca. Quando ela derreteu, adicionei uma garrafa de água de colônia, e depois de um longo período de fervura eu consegui fazer um sabão cremoso aceitável. Eu dei a bares e vizinhos conhecidos.”

Como se não bastasse, Leonarda também produziu bolos com o sangue de suas vítimas. Ela conta que havia armazenado uma boa quantidade de sangue em bacias:

“Quanto ao sangue na bacia, esperei até coagular, sequei no forno, molhei e misturei com farinha, açúcar, chocolate, leite e ovos, com um pouco de margarina e misturei todos os ingredientes. Eu fiz muitos bolos de chá crocante e servia para as senhoras que vieram me visitar, embora Giuseppe e eu também os comemos.”

Conheça os serial killers fotógrafos que registravam suas vítimas antes de matá-las

A cunhada da última vítima, felizmente recorreu à polícia para relatar o desaparecimento. As autoridades acabaram chegando até a casa da supersticiosa, visto que descobriram que ela foi a última pessoa a ter contato com a desaparecida.

Ela acabou confessando mas nunca pediu desculpas pelo o que fez. Foi condenada a 30 anos de prisão, e ainda deveria passar mais 3 anos em um asilo. Morreu aos 76 anos, em 1970, enquanto já cumpria sua pena no asilo.

Conheça as histórias macabras de 6 serial killers brasileiros

Fonte: Fatos Desconhecidos