Wayne Williams, nasceu em 1958 e foi criado no bairro de Dixie Hills, em Atlanta. Foi um bom aluno e nunca repetiu de ano. No fim do ensino secundário, mostrou grande interesse em se tornar um jornalista. Chegou a trabalhar em duas emissoras de rádio locais e sonhava ser agente e produtor musical.

Assassino do Torso | Conheça a história do serial killer que desmembrava prostitutas

Em maio de 1980, policiais que faziam uma tocaia ouviram um barulho de algo grande sendo arremessado no rio Chattahoochee. Abordaram Williams, que passava por ali, mas ele foi liberado e forneceu um falso telefone de contato. Dois dias depois, o corpo de Nathaniel Carter, 27 anos, foi encontrado no rio.

Williams tornou-se o principal suspeito de uma série de sumiços que aconteciam na região desde 1979 e continuariam até 1981. A maioria das vítimas eram crianças negras, entre 8 e 15 anos. Mais de 30 desaparecimentos foram listados pela polícia, que apelidou o caso de “O Monstro de Atlanta“.

Os principais alvos do assassino eram garotos com deficiência física ou mental ou que ele julgava serem homossexuais. Na maioria das vezes, ele espancava até a morte ou os asfixiava. Depois, desovava os corpos no rio.

O maníaco passou a apresentar um comportamento suspeito e foi convocado para uma sessão em um detector de mentiras. Ele não foi flagrado pelo aparelho, mas os policiais encontraram, em seu carro, manchas de sangue do mesmo tipo sanguíneo de Carter.

Preso em 21 de junho de 1981, o serial killer foi acusado da morte de Carter e de Jimmy Payne, 29 anos, em cujo corpo a perícia encontrou pelos do cão de Williams. Outras fibras nos cadáveres correspondiam a roupas, carpetes e toalhas da casa do assassino.

Investigações durante seu julgamento em 1982 culpavam Williams pelo fim de mais de 25 jovens. Ele foi condenado apenas pela morte de Carter e de Payne. Mas, durante o julgamento, outro garoto foi achado no Chattahoochee, e a defesa alegou que o verdadeiro culpado era o grupo racista Ku Klux Klan.

Wayne Williams cumpre duas sentenças de prisão perpétua na penitenciária estadual de segurança máxima de Hancock.

Fonte: Mundo Estranho