Uma jovem que trabalhava na casa do Sr. e da Sra Thomas Otto e que era praticante de vodu, foi várias vezes maltratada pelos patrões.

Ela então, resolveu presentear o filho do Sr. e Sra Thomas Otto, Robert “Gene” Otto em 1906, com um boneco de pano.

Na época que o boneco foi dado ao menino, sua irmã havia morrido recentemente, Gene colocou o nome do boneco de Robert.

Os pais muitas vezes ouviam o menino conversando com o boneco, com uma voz completamente diferente.

Muitas coisas estranhas, começaram a ocorrer com a família, e sempre Gene aparecia segurando Robert com sua roupa branca de marinheiro e declarando: “Robert fez isso.”, os amigos íntimos da família concordavam que, de fato, o boneco era de alguma forma culpado. Muitos diziam ouvir risos vindo do brinquedo ou viam ele correndo os degraus ou olhando para eles da janela da sala.

Todos da casa, começaram a perceber que algo não estava certo com o boneco. O que mais preocupou a família foi os acontecimentos inexplicáveis ​​que começaram a ocorrer: copos e talheres jogados sobre a sala de jantar, empregados eram trancados à chave durante suas rondas noturnas, roupas apareciam rasgadas, camas dos quartos de hóspedes movidas de lugar, com seus lençóis amassados e jogados no chão e outros brinquedos queridos de Gene, começaram a aparecer brutalmente mutilados e enquanto a noite, ouvia-se o som de risadas.

Certa vez, uma tia de Gene, estava na casa e  sugeriu que o boneco fosse trancado no sótão. Naquela mesma noite, a tia de Gene foi encontrada morta em sua cama, aparentemente de um ataque cardíaco.

Quando os pais de Gene morreram e Gene herdou a casa, Robert foi redescoberto no sótão onde havia sido trancado anos atrás pelo pai do menino.
Desde o momento em que Gene, agora adulto, olhou novamente para o boneco, a influência de Robert podia ser sentida. Sua esposa Anne, achou aquilo inquietante, insistindo que ela havia visto a expressão do rosto do boneco mudar, mas Gene não lhe deu ouvidos naquele momento. Quando ela trancou o boneco de volta no sótão, Gene entrou em fúria, disse que Robert precisava de um quarto próprio, de onde ele pudesse ver a rua.

Gene mandou que artesões construíssem uma sala com dimensões para o tamanho de Robert, na terceira torre de sua casa e ainda haviam móveis construídos com os limites máximos reduzidos.

Gene não deixava as pessoas visitarem o boneco. Crianças que passavam em frente da casa, afirmavam terem visto Robert se movimentar nas janelas no andar de cima encarando-as mesmo quando ninguém estava em casa, e em algumas ocasiões, teriam avistado ele saltando da janela do seu quarto para passar para a outra do lado.

Depois de alguns acontecimentos inexplicáveis, Gene decidiu colocar Robert no sótão. As visitas que iam até a casa, ouviam algo andando para trás e para a frente no sótão e várias vezes risadas demoníacas durante a noite.

Gene, que havia deixado o boneco no sótão, ficou bastante surpreso ao encontrar o boneco na cadeira de balanço perto da janela da sala da torre. Ele pegou o boneco e levou-o de volta ao sótão.

Quando Gene envelheceu e tornou-se cada vez mais abusivo com sua esposa Anne, ele trancou-a em um armário sob o quarto de Robert por vários dias seguidos. Ficava louco de repente e voltava ao normal, como se nada tivesse acontecido, culpando Robert pelos incidentes.

Após a morte de Gene e o enterro no cemitério Key West em 1974, Anne foi viver na casa da família em Boston e colocou a casa para ser alugada.

Mas antes de ir, ela deixou Robert trancado em seu quarto lá em cima e colocou no contrato de locação que “Robert deveria sempre permanecer como único ocupante do quarto do sótão”, ou o contrato seria anulado. Esta cláusula foi mantida até a sua morte em 1976.

Uma família comprou a casa e a filha deles de 10 anos, encontrou Robert no sótão, e pegou ele. Depois de algum tempo, ela começou a dizer que o boneco a torturava, os pais dela então, resolveram trancar o boneco em um baú no sótão.

Depois de muitos anos, Robert finalmente foi redescoberto em um depósito no East Martello Museum e foi colocado em uma exposição.
Pessoas que trabalham no museu dizem que Robert sempre muda de posição durante a noite mesmo que ele esteja trancado atrás do vidro de uma caixa dentro do museu.

Uma vez, um funcionário do museu, limpou Robert e foi embora trancando as portas atrás e desligando as luzes antes de ir. Quando ele chegou no dia seguinte, várias luzes, incluindo uma perto da caixa de Robert, estavam acesas e Robert estava colocado de forma diferente da que ele tinha deixado Robert, as solas dos sapatos de Robert estavam revestidas de poeira, como se ele tivesse andado pelo Museu.

Os funcionários, também relataram ouvir o som de alguém batendo no vidro, quando passam pela caixa de vidro de Robert. Quando eles voltam para olhar, eles vêem a mão de Robert pressionada contra o vidro.

Hoje em dia, Robert está no Museu de Martello em Key West.

Dizem que, se um visitante quer tirar uma foto do boneco, ele tem que pedir educadamente a sua permissão e aqueles que não fazem isso, afirmam que a foto aparece borrada e que Robert aparece com a cabeça em posições estranhas na imagem.

Embora Robert esteja disponível para receber visitantes durante todo o ano, o melhor momento de visitá-lo, uma prática recomendada e seguida pela equipe do Museu, é durante o mês de outubro.

Durante um mês, Robert é tirado do Museu Martello e ocupa a histórica casa da alfândega alguns quarteirões abaixo. É durante esta época do ano em que ele estaria mais ativo, e os funcionários sempre deixam um saco de balas de menta para ele se comportar. Eles juram que sempre há menos doces na manhã seguinte.

Robert foi exibido na Taps CON, uma convenção paranormal realizada em Clearwater, Florida, em maio de 2008, foi a primeira vez em que ele deixou Key West.

Conheça a história da família Perron que inspirou o filme ‘Invocação do Mal’

Conheça a história da famosa casa mal-assombrada: Amityville

Conheça a história que inspirou o filme ‘O Massacre da Serra Elétrica’