No estado de Wisconsin, nos EUA, entre as décadas de 40 e 50, Edward Gein foi um dos assassinos mais insanos e frios da história e protagonizou tantas cenas de horror que seus crimes acabaram inspirando filmes como ‘O Massacre da Serra Elétrica’.

Ele usava, ferramentas como uma serra elétrica e facões para torturar e matar suas vítimas, na grande maioria mulheres. Conforme investigações da polícia, na época, Ed costumava arrancar partes do corpo de suas vítimas, como órgãos e a cabeça para cozinhar.

Ele, inclusive, tirava a pele das pessoas que matava para usar sobre seu próprio corpo, como máscara ou roupas. Mas as atrocidades do assassino não paravam por ai, ele também adorava invadir cemitérios para roubar partes de cadáveres, usados para fazer pequenos troféus, que escondia em sua própria casa, como abajures feitos de pele.

Um dos casos mais emblemáticos de Edward Gein, aconteceu em 1947. A vítima foi Georgia Wecler, uma menina que tinha 8 anos de idade, que simplesmente desapareceu. Segundo relatos, os moradores de Plainfield se mobilizaram para encontrar a menina, mas nenhum vestígio de seu corpo foi encontrado.

Evelyn Grace Hartley, também foi uma das vítimas da moça que virou capa de jornal, o que assustou bastante a população da pequena cidade. Mas, por muito tempo, tudo o que a polícia soube sobre o desaparecimento de Evelyn foi que havia um rastro de sangue no local onde ela foi vista pela última vez e supostamente capturada.

As pistas sobre o assassino, só começaram a aparecer depois de 1957, depois que o homem voltou a atacar.

A vítima, dessa vez, foi Bernice Worden, segundo registros da polícia, foram os próprios funcionários do estabelecimento de onde ela era dona, que fizeram a denúncia ao notar a falta da mulher e descobrirem um rastro de sangue que saía do local.

As investigações começaram quando a polícia descobriu que Edward Gein teria sido a última pessoa com que a mulher desaparecida esteve no dia do seu sumiço. O homem misterioso, conforme relatos, havia ido até o estabelecimento comprar algumas coisas.

Como estava acostumado com o anonimato, ele foi encontrado, sem qualquer preocupação, almoçando em um restaurante local. Ele foi levado à delegacia e interrogado.
Mas, ele negou qualquer tipo de envolvimento com o desaparecimento de Bernice Worden.

Antes da polícia liberar o suspeito, eles resolveram ir até a casa de Edward Gein, vê se achavam alguma prova.

A polícia ao chegar na casa, achou um lugar sinistro, na casa tinha tudo que ele usava para torturar as vítimas. O que mais deixou os policiais chocados foi encontrar partes de cadáveres na casa, como cabeças e órgãos, e o corpo de Berenice decapitado, aberto ao meio dissecado e pendurado pelos pés.

Mesmo com toda a investigação policial que foi realizada durante meses, a justiça só conseguiu provar o envolvimento de Edward, em dois homicídios. Mesmo assim, em sua defesa, o homicida alegou não se recordar de muita coisa e que sofria de confusão mental.

Por ser considerado mentalmente incapaz, Edward Gein terminou seus dias no Mendota State Hospital, um hospital psiquiátrico.

Ele morreu em 26 de julho de 1984, por falha cardíaca e respiratória, devido à complicação de um câncer.

 

 

Fonte: Site R7