A sinopse do filme é a seguinte: Emily Rose (Jennifer Carpenter) é uma jovem que deixou sua casa em uma região rural para cursar a faculdade. Um dia, sozinha em seu quarto no alojamento, ela tem uma alucinação assustadora, perdendo a consciência logo em seguida. Como seus surtos ficam cada vez mais frequentes, Emily, que é católica praticante, aceita ser submetida a uma sessão de exorcismo. Quem realiza a sessão é o sacerdote de sua paróquia, o padre Richard Moore (Tom Wilkinson). Porém, Emily morre durante o exorcismo, o que faz com que o padre seja acusado de assassinato. Erin Bruner (Laura Linney), uma advogada famosa, aceita pegar a defesa do padre Moore em troca da garantia de sociedade em uma banca de advocacia. À medida que o processo transcorre o cinismo e o ateísmo de Erin são desafiados pela fé do padre Moore e também pelos eventos inexplicáveis em torno do caso.

Fazia já algum tempo que eu não postava alguma crítica, e como hoje fui rever O Exorcismo de Emily Rose pensei: ”Por que não?”; Particularmente, gostei bastante desse filme. Tem um roteiro simples, eu diria, não muito complexo. Os atores estão bem, em destaque a Laura Linney (Erin) e o Tom Wilkinson (o padre). O debate entre a ciência e o sobrenatural estão um tanto quanto mal executados, não há um bom equilíbrio entre os dois no filme.

Sobre as cenas de exorcismos do filme, eu achei legais, nada demais. O filme tem uma ótima fotografia, de Tom Stern (diretor de fotografia do excelente drama ”Beleza Americana”), a direção do filme é boa, Scott Derrickson (que dirigiu ótimos filmes, tais como ”A Entidade” e o mais recente ”Livrai-nos do Mal”) sabe definir um tom para o filme e, assim, o executar.

Mais um ponto alto do filme é grande parte dele ser em um tribunal, mostrar para o público o que acontece para um padre se o exorcismo que ele fez deu errado e a vítima de possessão morreu. Na maioria dos filmes de exorcismo, o demônio vai embora e tudo acaba bem (tais como o clássico ”O Exorcista” e ”O Ritual”). Aqui a coisa é mais tensa, o exorcismo dá errado e o padre tem de arcar com as consequências. O demônio aparece no filme apenas como uma figura escura, o que eu achei excelente, pois dá ao telespectador o poder da sugestão, de imaginar como é ele na verdade, e isso acaba sendo assustador.

Resumindo, ”O Exorcismo de Emily Rose” em geral não dá muito medo, apesar de que em algumas cenas dá sim, o filme é para você prestar atenção e pensar á respeito. Pensar sobre tudo que a garota sofreu, e refletir sobre isso. E também se interessar pela história de Emily Rose e pesquisar mais na internet sobre ela, pois o filme foi baseado em uma história verídica. Enfim, o filme é uma boa recomendação para se assistir.

Nota: 9.1