A história do novo filme da franquia é a seguinte: Em 2018, para diminuir o índice de criminalidade pelo resto do ano, os Novos Pais Fundadores da América testam uma teoria sociológica que permite agressões por uma noite numa comunidade isolada. Mas quando a violência dos opressores se encontra com a fúria dos marginalizados, o contágio explodirá os limites do teste e se espalhará por toda a nação.

A franquia ”Uma Noite de Crime” é um sucesso de público e de bilheteria, apesar de não poder se dizer o mesmo da crítica especializada, que não avalia muito bem os filmes da franquia. Este já é o quarto filme, e a franquia já tem até uma série que está sendo transmitida nos Estados Unidos, pela USA Network. Particularmente, gosto dos três primeiros filmes da franquia, principalmente do segundo, intitulado de ”Uma Noite de Crime: Anarquia”.

Confesso, entretanto, não estava muito ansioso para este aqui, pois parecia pelo trailer que ia ser mais do mesmo, não adicionando novos elementos e sem uma história muito fascinante. Afirmo, infelizmente, que eu estava certo. O filme até tenta trazer um elemento interessante, que foi um experimento que o governo fez, botando câmeras nos olhos de alguns personagens que iriam participar do expurgo, foi uma boa ideia e que funcionou no filme, para mim, mas só.

Sobre os atores, eles fazem o que podem aqui, até se esforçando, mas não tem muito o que podem salvar do material em que os personagens deles foram escritos. Y’lan Noel convence como um traficante nice guy e sentimental. Lex Scott Davis e Joivan Wade também estão funcionais, interpretando irmãos que tomam várias decisões duvidosas, algumas quais até incomodam um pouco, mas que podem ser relavadas. Rotimi Paul, faz Skeletor, um vilão clichê e genérico, mas que eu até gostei, pra ser sincero, as cenas dele são as melhores do filme.

O roteiro traz alguns elementos interessantes de política, que até podem ser comparados aos dias atuais e serem um pouco relevantes, porém o elemento de política já foi trabalhado melhor no terceiro filme, além do roteiro não saber desenvolver muito seus personagens e trazer diálogos clichês e esperados. Tecnicamente, o filme não traz nada de novo também, tudo já feito antes, não é um trabalho de direção inventivo, nem muito eficiente, demérito de Gerard Mcmurray, era melhor terem deixado na mão de James DeMonaco mesmo.

Vamos falar agora de algo que era um dos principais motivos para fãs de terror assistirem a este filme, os assassinatos e as cenas de expurgo. São um ponto alto do longa, são violentos, psicóticos e divertidos de se assistir, créditos para a cena da festa, onde tudo parece que está normal -simplesmente porque as pessoas não sabiam lidar com essa noite de expurgo-, sendo uma questão de tempo até, aos poucos, a carnificina começar.

Resumindo, o novo filme da franquia ”Uma Noite de Crime” não traz quase nada inventivo, tem um roteiro fraco e personagens não muito cativantes. As cenas de assassinatos são ótimas, e até tem um comentário político relevante aqui, mas é facilmente um filme esquecível da franquia.

Nota: 5.0