Ótimo Thriller protagonizado por Naomi Watts não é inovador, mas entretém e satisfaz em meio ao caos onde se encontra esse gênero.

Sabem aqueles filmes que de cara falamos: “Muito Supercine”?
Pois é, esse teria tudo para levar o mesmo fim, mas consegue se diferenciar dos demais.
Sabemos que os Americanos estão cada vez com menos criatividade não é, vide infinitos remakes estrangeiros que já produziram, ou já estão na lista de espera ( como “A invasora” ou ” train to Busan”), mas uma coisa que eles sabem como manejar é o Thriller Psicológico, raramente fazem algo duvidoso pra ruim.

“Shut in”, ou como ficou aqui no Brasil, ” refém do Medo, conta a história de Mary Portman (Naomi Watts), uma psicologa infantil e mãe viúva que cuida do filho (Charlie Heaton) que se encontra em estado vegetativo. Tudo precia bem pacato quando surge em sua vida Tom (Jacob Tremblay), um garotinho órfão, e que acaba desaparecendo, e a cidade acaba acreditando que ele está morto. Acontece que Mary continua sentido a presença de Tom, e algumas vezes jura que o Viu, questionando a si mesma se realmente o garoto morreu. Pra ajudar toda essa situação, eles enfrentarão uma Tempestade mortal, prendendo-os na casa.

 

 

Aí lendo o resumo aqui você deve dizer: “Ah, mais um filme sobre espíritos que não descansaram e precisam da ajuda de alguém vivo para encontrar a luz”, mas estão totalmente enganados, esse filme é muito mais que isso.
Durante toda a trama você vai sendo guiado por reviravoltas até chegar no Plot Twist final,- que já aviso, vai te deixar muito intrigado.
Não quero contar muita coisa sobre ele, pois acreditem em mim, saber muita coisa estraga nesse caso, porém é preciso que saibam que esse filme gosta muito de aplicar o famoso “Jump scares”, ou seja, aqueles sustos falsos com o aumento significativo da trilha sonora. Não sou contra isso não, ao contrário, se for bem aplicado, só soma na obra, que nesse caso eu curti  bastante, levei uns bons sustos.

 

O que dizer das atuações sem dar muito spoiler?
Naomi está maravilhosa, como sempre, e sim, sou fã declarado dessa mulher, e conseguiu passar todas as emoções atribuídas à essa personagem, seja quando ficou desolada e sozinha, assustada ou determinada em certas circunstâncias. Se por algum motivo vocês estiverem se perguntando da onde conhecem Charlie Heaton, é só voltar no ano passado que lembrarão de sua atuação na super premiada série “Stranger Things”, que como lá, aqui também ( de um certo modo) mostrou a que veio.
Já o pequeno Jacob ( que com  certeza é um anão disfarçado de criança, porque não é possível, vai atuar bem assim lá na casa do [email protected]***), que tem apenas 10 anos, mas já conquistou o público nos filmes “O Quarto de Jack”, “O Sono da Morte” e do ainda não lançado, mas já muito comentado “The book Of Henry”, nos mostra o quanto precisamos ficar de olhos bem abertos, pois sinto que logo logo teremos a presença desse guri no Oscar.

 

Quero deixar aqui bem claro que não esperem o melhor filme do ano, contém algumas situações um pouco forçadas, mas nada que desmereça o longa, ele serve aqui como um bom entretenimento, como deve ser, e possui um suspense plano, sem muitas enrolações. Uma grata surpresa!
O filme ainda não tem data para chegar as cinemas Brasileiros.

Nota: 7.4