Se você não foi com a cara da série SCREAM, trago essa outra alternativa, adulta, mais pesada, sangrenta e visceral. Disponível na Netflix.

 

Quem tem pelo menos 20 anos, pode-se dizer que viveu um momento memorável do Gênero Terror.

 Há exatos 20 anos, estreou um filme que ainda hoje é referência quando falamos sobre assassinos mascarados.
Scream, ou como é conhecido aqui no Brasil, Pânico, tornou-se um das franquias mais rentáveis do cinema, usando elementos já conhecido nas mãos de Jason nos anos 80 que por sua vez usando elementos de Leatherface nos anos 70.
Satirizando esses clássicos, com atores ícones da época, Pânico, teve 3 continuações (um tanto desnecessários, deixa-se de passagem), sendo o último em 2011.

Ano passado, a TV Americana MTV, produziu uma série baseada nesse ícone dos anos 90.

Entre vários outros problemas na produção, o que mais polemizou foi o fato de não usarem o “Ghostface“, ou seja, a máscara original do filme, alegando quererem modernizar.
Aí é que está, modernizaram até demais. A série não empolgou, foi morna transformando a série em uma mistura de “The OC” com “Pretty little liars“, ou seja, uma novela malhação com uma pitada de suspense, totalmente adolescente, ainda assim fizeram uma segunda temporada.
Visando esse “sucesso” de filmes/séries Slashers, o canal Chiller, que é do grupo NBC Universal, criou uma série muito promissora chamada “SLASHER“.

No mesmo formato de American Horror Story, Slasher, conta um história diferente a cada temporada.
A série já se inicia mostrando a que veio:

Inicia-se mostrando um casal num dia de Halloween no ano de 1988. Muitos doces, fantasias e abóboras assustadora são mostradas. Quando recebem a visita de um suposto amigo encapuzado. O mesmo sem delongas ou explicações, assassina os dois, salvando apenas o bebê que ainda está na barriga da mãe, arrancando-o vivo com ela ainda viva.
A polícia então encontra o assassino sentado na cadeira, embalando a criança como se nada tivesse acontecido.
Com muito sangue e poucos cortes de edição, a série já mostra seu potencial e dá 3 tapas na cara da série “Scream”, sendo muito mais eficiente em sua homenagem aos clássicos slashers.
Voltando à história:
Anos se passaram e conhecemos Sarah Bennett, intrpretada pela atriz Katie McGrath (Jurassic World) e Dylan, papel do ator Brandon Jay McLaren (CSI e um antigo Power Ranger, rsrsrsr), um casal de mudança pra cidade de Waterbury , a tal cidade onde ocorreram os assassinatos.

No mesmo formato de American Horror Story, Slasher, conta um história diferente a cada temporada.
Logo de início descobrimos que Sarah é a bebê do início da série. E então, como todo clássico do Subgênero, as mortes retornam à cidade. Com história cliché, pode-se dizer que a série foge um pouco do habitual.
Não é uma trama adolescente, é madura, com dramas pesados e um pouco mais puxado pra nossa realidade. O assassino é conhecido como “Carrasco“. Sua caracterização está sensacional, contém todos os elementos necessários, uma máscara (no caso capuz), roupa alongada e escura, com um porte alto e aparentemente forte, e principalmente: ele não tem dó! Usa tudo o que tem na sua frente pra jorrar sangue na tela da sua tv!!

Claro que, conforme os assassinatos vão ocorrendo, todos da cidade vão se tornando suspeitos, pois vamos conhecendo a história de cada um, e vemos que essa cidade praticamente é a cidade dos pecados, pois cada um ali tem um podre a ser descoberto.
Falando em pecado, o que se destaca na trama é o como o carrasco escolhe suas vítimas.
Através dos 7 pecados capitais.

A série seria perfeita se não fosse uma coisinha que me incomodou bastante de início:
As atuações. Muitas vezes sentia que tudo era muito forçado, e personagens secundários parecem ter saído de filmes da Asylum ou do canal Syfy.
Mas de acordo com o desenrolar da história, foi melhorando, na verdade acredito que foi pelo fato de ser poucos episódios, eles tivera que apresentar logo os personagens , de uma forma bruta e rápida, por isso meu conselho é não desistir logo de início, o desenrolar vai mostrando quem é quem e melhora muito de forma significativa, até chegar ao ápice que é seu final, muito satisfatório aliás!
São apenas 8 episódios, e se você for do tipo que engole séries, poderá assistir um atrás do outro, terminando no mesmo dia, pois ele realmente têm aquele clima de suspense, e brinca com a ideia de que todos ali são suspeitos, inclusive o marido de Sarah.



AVALIAÇÃO FINAL:

Usando atores adultos, invés de adolescente, a série que tinha tudo pra ser cliché se destaca pelo enredo mais maduro, sem medo de mostrar violência.
Apresenta um assassino impiedoso que apesar do incômodo de algumas interpretações, não deixa de ser uma diversão sangrenta, como à um bom tempo não se vê dentro desse Subgênero.

OBS: a série se encontra na Netflix

Nota: 7.5/10

Sinopse: Uma jovem mulher que retorna para a pequena cidade onde ela nasceu após alguns anos do brutal assassinato de seus pais, apenas para encontrar-se presa em uma série de assassinatos baseados nesse homicídio notório. Com os corpos aumentando, segredos há muito tempo enterrados são descobertos e revelam que praticamente todos que ela conhece podem ser um suspeito em potencial – ou vítima.