O Atenas Lunatic Asylum é um dos manicômios mais sinistros de todo o território americano. O título macabro não é à toa, o lugar é do mal de verdade. O local foi um hospital psiquiátrico especialmente movimentado desde que abriu, no estado de Ohio, em 1874, tinha uma fama pra lá de ruim, com lobotomias (intervenção cirúrgica no cérebro) e avistamentos paranormais de todo o tipo.

Desde 1874, ele tratava mais de 1800 pacientes em suas centenas de quartos e laboratório, os doentes, muitas vezes, eram deixados de lado e recebiam choques ou ficavam com camisa de força o dia inteiro.

Algumas das imagens mais controversas da medicina americana vinham de lá, como essa operação de lobotomia, os médicos também não eram grande coisa e diagnosticavam coisas completamente sem sentido. Afirmavam, por exemplo, que 50% das mulheres internadas lá ficaram loucas por “pedirem o divórcio”.

Para lá eram mandadas pessoas com problemas comuns, como menopausa, epilepsia e tuberculose. As acomodações eram tenebrosas, úmidas e sem higiene.

Além dos que sofreram durante os tratamentos, os pacientes também morriam aos montes, os motivos envolviam principalmente falta de higiene nos tratamentos.

Os cemitérios, ao norte do complexo de hospitais, geraram lendas sinistras que se tornaram famosas, o mistério fica ainda maior porque os arquivos de tratamentos do hospital são considerados secretos. Existem 1.930 pessoas sepultadas por lá e somente assinando uma papelada extensa, são 700 mulheres e 959 homens enterrados como indigentes e identificados apenas por um número na lápide e o restante são crianças, colocadas em uma lista separada.

Descobertas feitas por jornalistas apontaram que uma vasta maioria da primeira leva de mortos envolve veteranos de guerra que foram internados também por não terem dinheiro para continuar vivendo, dos grandes prédios que formavam o complexo de hospitais, apenas o grande prédio de tratamento de tuberculose continua vazio e com a aura assustadora de um manicômio das antigas. Os outros locais foram limpos e se tornaram armazéns estaduais.

Marcas sinistras e bizarras podem ser vistas por toda a parte e indicam algumas pessoas que acabavam de morrer e inexplicavelmente ficavam marcadas e o chão jamais conseguia ser limpo de novo, paredes aparentemente comuns escondem inscrições bizarras que ninguém jamais ousou tentar decifrar, em uma parede é possível ler: “Eles irão consumir você…”

Parte dos problemas relacionados a decadência do lugar envolve a superlotação que tomou conta do lugar, mas no fim dos anos 70 a proliferação da doença atingiu uma fatia grande dos pacientes de outros locais.

Na ala de tuberculose, altamente contagiosa, os pacientes eram isolados em quartos individuais para evitar epidemias, no primeiro andar eram colocados os considerados insanos, para evitar que eles pulassem as janelas e havia também uma ala infantil, descrita como “cheia das piores atrocidades possíveis”.

Parte desse terror se deu pela falta de médicos suficientes para os atendimentos, e por isso histórias sobre maus tratos e torturas genuínas eram relativamente comuns.

Atualmente, o prédio é mantido selado e todos os seus segredos arquivados.

Veja as imagens abaixo: