Cientistas de um grupo financiado pela Nasa, descobriram evidências de um “provável universo paralelo” onde o tempo passa ao contrário.

O “universo paralelo” está localizado na Antártica e foi encontrado com ajuda da Antena Impulsiva Transiente da Antártica (Anita). Mas os cientistas não estavam procurando exatamente isso. A intenção era investigar os “ventos” de partículas de alta energia vindas do espaço. Durante o estudo, os pesquisadores observaram “neutrinos tau“, partículas de alta energia, mais pesadas, saindo da Terra, o que indica que elas estavam ao contrário no tempo.

Peter Gorham, físico experimental de partículas da Universidade do Havaí, e sua equipe, no entanto, encontraram partículas que se movimentam de forma contrária às do planeta Terra, viajando para trás, o que sugere a existência de um universo paralelo.

O que teria acontecido para que esse segundo “mundo” fosse possível, de acordo com a análise dos cientistas é que, no momento da explosão do Big Bang, dois universos foram criados. O primeiro é o que conhecemos, e o segundo, sob a perspectiva do tempo na Terra, está indo ao contrário. Se esse universo for habitado, nosso planeta estará contrário a ele. É como se fosse a versão do nosso em um espelho. A direita vira a esquerda, o positivo é o negativo, explica Gorham.

Em entrevista à revista científica New Scientist, em abril, Gorham afirmou que “nem todo mundo está confortável com essa hipótese” e até mesmo cientistas do grupo dele não confiam 100% na teoria.

Sobre a publicação do estudo, Gorham disse à New Scientist que se sente “relutante” por não ter nenhuma confirmação ainda sobre a existência do segundo universo. “Não sabemos como representar isso ainda, mas temos algo”, disse ele.