A história é a seguinte: Três adolescentes sempre escaparam de seus roubos, todos perfeitamente planejados. Mas, quando eles estão prestes a realizar seu último crime, assaltando a casa de um senhor cego, o jogo muda. Os jovens agora estão encarcerados dentro do local, e precisarão lutar por suas vidas contra um psicopata cheio de segredos e terrivelmente habilidoso.

Sabe aqueles filmes que iniciam com um pequeno trecho do final? Pois é, ”O Homem nas Trevas” inicia com um pequeno trecho do final, que nos deixa ainda mais intrigados pela trama. Os personagens são apresentados de maneira rápida e simples, devo dizer que não foram muito desenvolvidos, sabemos pouco sobre cada um deles, e nos importamos apenas com a personagem Rocky, que tem um desenvolvimento um pouco maior que o dos outros.

133145-jpg-r_1280_720-f_jpg-q_x-xxyxx

Há um público específico para esse tipo de filme, se você gostou de filmes como ”Hush: A Morte Ouve”, ”Você é o Próximo” ou ”Os Estranhos”, muito provavelmente você gostará de ”O Homem nas Trevas”. Nossa, para mim foi uma experiência extremamente sufocante e claustrofóbica, a maior parte do filme é apenas na casa do homem cego, um ambiente pouco iluminado, com grades nas janelas e muito fechado. Sim, é o tipo de casa que você não gostaria de passar nem sequer um minuto.

Sobre os atores, Jane Levy, como Rocky, está excepcional, fazendo com que nos preocupemos com a personagem, a atriz já se mostrou promissora em ”A Morte do Demônio”, de 2013, onde já havia trabalhado com o diretor Fede Alvarez. Dylan Minnette, como Alex, está com uma atuação meio genérica, um pouco superficial. Stephen Lang, o homem cego, tem um ar frio de psicopata e entrega uma boa atuação.

maxresdefault-1

O roteiro é muito denso e tem algumas pequenas revelações que ficaram muito boas. A direção é de Fede Alvarez, e devo dizer, alguns de seus enquadramentos me lembraram ao que James Wan fez em ”Invocação do Mal 2”, com alguns planos abertos -que ele usou no início de A Morte do Demônio também- e close em objetos que teriam alguma relevância para a trama. A fotografia é escura, porém dá para ver tudo que está acontecendo. Tem uns 3 sustos no filme, que funcionam. Lá pelo final, há uma sequência que faz lembrar muito de ”Cujo”.  O filme acaba de um jeito que nos deixa pensando se haverá um segundo.

Resumindo, apesar de ter pouco desenvolvimento, é um filme denso, claustrofóbico, sufocante e principalmente, tem uma ideia original e que caiu como uma luva.

Nota: 9.0