A história do filme é a seguinte: Uma tragédia abala o casal formado por Will e Eden. Eles perdem o filho pequeno e, desolada, Eden vai embora sem dar notícias. Dois anos mais tarde, ela volta a procurar o marido, acompanhada de outro homem, e totalmente diferente de como era antes. Durante um jantar, com Will, Eden e o novo companheiro de sua esposa, Will começa a suspeitar que os visitantes têm planos sinistros contra ele.

O filme inicia de modo denso, com Will e sua nova namorada dirigindo para a casa de Eden. Os créditos de abertura tem uma música com batidas lentas e curtas, como os filmes de John Carpenter. Tem alguns flashbacks colocados na trama para contar algumas coisas sobre Will e Eden, são flashbacks rápidos porém precisos, não enrolam e mostram apenas o suficiente. O clima denso sempre é mantido, fazendo o espectador pensar que algo de muito ruim pode acontecer a qualquer momento.

the-invitation-3

Os 30 minutos iniciais tem um ritmo lento, muitos filmes de terror independentes são assim, como ”Você é o Próximo”, ”Presos no Gelo”, etc. Gosto de filmes que esperam o momento certo para colocar aquele momento de chocar o espectador. Os diálogos são muito importantes aqui, até para desenvolver o suspense e a tensão, o clima de mistério e de dúvida, parece até uma peça de teatro, assim como ”Os Oito Odiados”, um excelente filme do Tarantino que sabe explorar os diálogos.

Sobre os atores, nada a reclamar também. Logan Marshall-Green, que interpreta Will, está bem, sempre passando uma sensação de desconforto com o lugar, fazendo-nos sempre duvidar do que pode estar acontecendo ali, nos deixando paranoicos. Tammy Blanchard, que interpreta Eden, tem uma falsa felicidade exposta em seu rosto, fazendo-a parecer meio psicótica. Michiel Huisman, que interpreta David, é o típico ”cara legal” que tenta agradar os seus convidados.

the-invitation-2015-horror-movie-news-5

O roteiro do filme é excepcional, sabendo explorar vários elementos, como diálogo, narrativa e mistério. A direção do filme é da Karyn Kusama, e devo dizer, estou surpreso! Assisti a dois filmes dela, Garota Infernal e Æon Flux, ambos são horríveis de tão ruins. Neste aqui, ela mostra o seu potencial como diretora, sabendo contar a história e usar a câmera a seu favor para expressar emoções. O jeito que o filme acaba também não deixa nada a desejar, sendo um dos melhores finais para filmes de terror do ano.

Resumindo, ”The Invitation” pode ter um ritmo lento, o que pode ser um problema para alguns, mas sabe criar suspense, tem um excepcional roteiro e um bom elenco.

Nota: 9.2

PS: Não assistam ao trailer do filme, ele revela mais do que deveria.